Relatos parte I - Não Morri

Depois de tanto tempo longe, vamos ver se não perdi a mão... rsrsrs

Primeiro, clique aqui


Bom, andei afastada por vários motivos: estava demasiadamente triste, perdida e sem internet...

No decorrer desse ano muitas coisas aconteceram, mas nenhuma coisa muito grande, passei o ano torcendo para que 2013 fosse embora logo, acreditando ter sido o ano mais difícil da vida, e então, comecei a entender que 2012 e 2013 foram anos extremamente importantes para a estruturação da minha vida e então passei a agradecer e a olhar com ternura para esses quase 730 dias duros.


Entendi que o Universo estava me dando exatamente o que estava pedindo: caminhar com as próprias pernas, achar e seguir meu próprio caminho, ser feliz.
O foda é que a gente sempre esquece que trilhar novos caminhos significa necessariamente romper e interromper caminhos que trilhamos até então.
Não encontrei um trabalho que me realizasse o quanto esperava, fiquei desempregada, perdi minhas (bem servidas) economias, adquiri dívidas, não havia um dia em que não brigasse com meus pais, pensei (e tentei) terminar meu namoro incontáveis vezes, surtei, gritei, chorei, me desesperei, rasguei minha pele com minhas próprias unhas, tive inúmeras crises de asma, sinusite se tornou melhor amiga, pois estava comigo todos os dias, dores horríveis e rotineiras nas articulações, sucumbi. Mas não morri... O dia seguinte é sempre pior, o instante seguinte é sempre mais pesado... Encarar o espelho e se sentir um completo fracasso foi a rotina que enfrentei ever fucking single day durante meses.
Mas não morri.

Já que encarar tudo de maneira tão negativa obviamente não estava dando certo (e estava me levando cada vez mais a falência), um dia resolvi entregar tudo nas mãos do Universo e parei de brigar. Parei de brigar comigo, com a vida, com o próprio Universo e resolvi esperar o que raios Ele estava me dando a oportunidade de aprender e que eu ainda não enxergava.

Meio que na marra, fui vendo as nuvens se dissipando e percebi que por pior que seja, a tempestade sempre passa. Rezar todos os dias e renovar minha fé ajudou muito nesse momento.

Como quero destrinchar minhas experiências desse ano e meus pontos de vista, decidi fazer uma série de posts, cada um sobre um ponto específico desse emaranhado chamado Ana Lígia.

Ei-los a seguir.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Pesada Estranheza do Ser

Home... Where I wanted to go